Ornitorrincos & Gambitech

Secuestre el encargado de correos mas acerca de usted

O blog ficou parado no tempo, junto com uma peça de 40 gramas que ainda está parada nos correios. A culpa disso é minha, já que resolvi montar uma bicicleta híbrida de mountain bike com estrada, que juntasse as características de cada tipo de bicicleta que melhor me servirão na viagem – mas errei o projeto.

Nada grave, mas é bom explicar: comprei o quadro de MTB em aço cromo molibidênio, uma relação de marchas de MTB Deore, mas passadores de estrada do tipo bar end shifters. Esses passadores exigem um tensionador de cabo, para a regulagem fina do câmbio. O tensionador em bicicletas de estrada vai aparafusado em um braze on que já pertence ao quadro. Ocorre que quadros de MTB não têm esse detalhe. Pesquisei na internet e encontrei algumas pessoas que montaram esse passador de marcha sem precisar do tensionador, e disseram ter sucesso. Fiquei tranquilo e até esqueci desse assunto.

No fim do ano passado, já montando a bicicleta, fui ao mão na roda tentar regular direito o câmbio. Eu e mais umas 2 ou 3 pessoas tentamos, sem sucesso. Alguns procuravam a peça que faz o ajuste fino, mas eu dizia que essa peça não existia (tinha esquecido da existência dela). Erro meu. Me toquei na véspera do natal que tinhaas peças mas não tinha como prendê-las no quadro, e fiz a compra online de um adaptador como o da imagem abaixo.

Mais de um mês depois, já em fevereiro, nada de chegar a peça. Escrevi para o site do qual a comprei, que me enviou outra, dessa vez com código de rastreamento. A peça está parada em Curitiba há uns 10 dias.​Cansado de esperar e louco pra testar a bicicleta, ver se as outras coisas vão combinar bem na prática, ajustar o bike fit, etc. Resolvi partir para o faça você mesmo, também conhecido como gambiarra.

Desmontei um passador de quadro com abraçadeira de Caloi 10 que tenho parado em casa. Prendi os tensionadores de cabo na abraçadeira, no lugar das alavancas. A abraçadeira é pequena para o tubo do meu quadro, mas forcei a barra e terminei de fixar com 3 abraçadeiras de plástico (enforca-gato). Para não arranhar a pintura, usei um pedaço velho de câmara de ar por baixo de tudo. Ficou feio, e se vier a ser definitivo eu vou fazer um acabamento melhor – mas não muito melhor.

Passados os cabos, regulado o câmbio traseiro (menos uma questão), começou um novo problema. O câmbio dianteiro até entra nas 3 coroas, mas tanto na menor quanto na maior fica raspando de leve na corrente. Isso não atrapalha muito o funcionamento, mas acelera o desgaste do equipamento, fora o barulho infernal.

A questão é que, puxando com a mão, o câmbio tem ainda espaço para se movimentar, mas o passador não consegue mover cabo suficiente para puxá-lo. Até o momento consegui pensar em 3 alternativas:

1) Trocar o câmbio dianteiro por um que precise de menos cabo para se mover entre as 3 coroas. Teria que testar, não sei se encontro algum.

2) Desistir dos trocadores no bar end, melhorar minha gambiarra e instalar o próprio passador de Caloi 10 ali no quadro. Como ele não é indexado e puxa muito cabo, é quase certeza que vai funcionar. Foi assim que o André do Pedarilhos.com.br montou as bikes deles, e a partir da gambiarra dele tive a idéia de tentar a minha. Faça Você Mesmo.

3) Essa seria muita vontade de ser teimoso: instalar o câmbio de quadro no guidão, com apenas uma alavanca, na ponta esquerda, substituindo somente aquele trocador de bar end. Pode ser que fique bem feio e desproporcional, mas vai que funciona…

Devidamente gambiarrado, nesse domingo 1 de março dei minha primeira volta oficial com a bicicleta. Deixando a corrente apenas na coroa do meio, rodei alguns KM pela ciclofaixa de domingo e pela ciclovia da marginal, marquei o trajeto pelo Strava (veja abaixo).

Faltam alguns ajustes mínimos no bike fit, talvez a posição dos freios ou do guidão e, depois que instalar os pedais definitivos, ajustar a altura do selim. Mas, de forma geral, está uma bike bem confortável e ágil ao mesmo tempo. A relação de marchas está um pouco fácil demais, talvez eu devesse ter escolhido um pedivela com 48 dentes, ao invés de 44. Mas tudo bem, com a bicicleta carregada isso talvez não faça tanta diferença.

Confira minha pedalada de 63,1 km no Strava: http://app.strava.com/activities/261597866

Anúncios

Um pensamento sobre “Ornitorrincos & Gambitech

  1. Gambiarra demais pra quem quer rodar por tanto tempo e em tantas situações provavelmente adversas…. Pra saciar a ânsia tudo bem. De resto, Curitiba é logo ali….

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s